sábado, 26 de junho de 2010


Primeiro foi a forca, subi na cadeira, totalmente nu, coloquei a corda no pescoço e pulei. Assim que senti que o pescoço estava quebrado, fui atraz da gilete, aproveitei que já estava nu, entrei na banheira e cortei os pulsos. Quando a minha vista escureceu eu lembrei do rifle de caça do meu avô, ainda estava municiado. Subi as escadas, vesti o meu melhor terno , peguei o rifle, pus o cano dentro da minha boca e mesmo com dificuldade por conta dos pulsos cortados puxei o gatilho. Ao ver a minha massa encefálica espalhada por todos os cantos do quarto eu pensei, porra, agora estou vivo.


Um comentário:

Programa disse...

Já dizia um amigo...
"Ainda vivo, para alegria dos bastardos"

-analu